Peticione e acompanhe processos: Peticionamento Eletrônico

Visitação ao Supremo Tribunal Federal tem aumento de 25% em 2019

A média mensal de visitantes passou de 1.030 em 2018 para 1.290 este ano. Um dos principais fatores para o crescimento do interesse dos turistas foi a ampliação da presença da Corte na mídia

29/10/2019 14h02 - Atualizado há

O Supremo Tribunal Federal (STF) contabilizou, no último mês, um aumento de 25% do número de visitantes em 2019 em relação ao ano passado. De janeiro a setembro deste ano, 11,6 mil pessoas já passaram pelo programa de visitas monitoradas da Corte. A média mensal de turistas foi de 1.030 em 2018 para 1.290 este ano.

Os paulistas foram os que mais marcaram presença no STF: 3.745 pessoas. Logo em seguida, estão os brasilienses (1.828) e os mineiros (1.585). Os estrangeiros representaram 2% do total de visitantes do tribunal, sendo a maioria de norte-americanos, franceses, chilenos e sul-coreanos.

Para a secretária-geral da Presidência, Daiane Nogueira de Lira, o aumento se deve, principalmente, ao exponencial destaque do Supremo na mídia. “As decisões da Corte interessam a todo o país. Há muitos casos com repercussão geral que impactam a economia, os costumes, os direitos e garantias individuais e coletivos. E como última instância, é natural que os olhos da Nação se voltem para o Supremo”, contextualiza.

Segundo Lira, a gestão do presidente Dias Toffoli investe na modernização do sistema de comunicação do Tribunal e em campanhas que promovam maior transparência e facilite o acesso do cidadão a dados oficiais sobre o Supremo. Ela lembra que nos últimos 12 meses, houve quase 7,3 milhões acessos ao portal do STF. Mais de 7 mil matérias foram ao ar e 988 programas foram veiculados pela TV Justiça no mesmo período.

“Neste período, foram lançadas importantes ações, como Aqui tem Justiça, #FakeNewsNão, o Painel Multissetorial de Checagem de Informações e Combate a Notícias Falsas, além de instituída a transmissão ininterrupta da programação ao vivo da TV Justiça pelo Twitter”, destacou a secretária.

Conhecendo o Supremo

Para os que têm interesse em conhecer o Supremo Tribunal Federal, o tour pela instituição dura cerca de 1 hora e é conduzido por um monitor do Cerimonial do Tribunal, que conta informações curiosas e detalhadas sobre a história da Corte. Cada grupo de visitantes é composto por, no máximo, 30 pessoas.

A visitação começa pela livraria (anexo I do Tribunal), seguindo pelo Espaço Menezes Direito (túnel de acesso ao Edifício Sede), onde todos podem ver os quadros com as composições plenárias desde 1960 e admirar as exposições itinerantes. Em seguida, no Espaço Pontes de Miranda, é possível conhecer os móveis, fotos e esculturas, inspirados no mobiliário da sacristia da catedral da cidade de Colônia (Alemanha). Na próxima parada, o Salão Nobre, conta com peças da arte francesa.

O Museu do STF também faz parte do roteiro, onde encontram-se peças do mobiliário utilizadas na antiga Corte, no Rio de Janeiro, antes da transferência da capital para Brasília. No Hall dos Bustos, no Edifício Sede, estão representadas personalidades da história do Brasil em peças de bronze. Dentre elas, o jurista Rui Barbosa e o imperador Dom Pedro I, além da escultura “A Justiça”, do artista Alfredo Ceschiatti, que adorna a porta simbólica que dá acesso ao Plenário.

No Plenário, espaço mais aguardado pelos visitantes – onde acontecem as sessões de julgamento, transmitidas ao vivo pela TV Justiça desde 2002 –, obras de arte como o painel de Athos Bulcão, formado por pequenos nichos triangulares, e o Crucifixo de Alfredo Ceschiatti, que simbolizam respectivamente a justiça dos homens e a justiça divina. Para finalizar a visita, no Salão Branco, ambiente destinado a solenidades, encontra-se um dos cinco exemplares originais da Constituição Federal de 1988.

A estudante do 9º ano do ensino fundamental, Pamela Paiva, que esteve com sua turma do Centro de Ensino CENEB no Supremo, na semana passada, disse que o seu interesse pela área de Direito cresceu após esta visita. “Eu não conhecia muito sobre o STF e, entendendo mais a fundo essa realidade, despertou em mim ainda mais o meu interesse pelo curso de Direito. Quando eu chegar em casa, vou até rever meus planos para o futuro”, disse a jovem.

Para o monitor Rodrigo Santos, do Núcleo de Visitação Pública da Assessoria de Cerimonial, é gratificante acompanhar a curiosidade e interesse dos alunos. “Durante o trajeto, os questionamentos são variados. Mas perguntam, principalmente, sobre assuntos veiculados na mídia referente às decisões dos ministros.”

Visitação ao STF aumentou 25% em 2019

Turistas

Sob demanda, o Supremo Tribunal Federal disponibiliza monitores que explicam o funcionamento e a história da instituição em inglês, espanhol, francês, italiano e em Libras – língua de sinais que faz parte do programa permanente de acessibilidade do Supremo, o “STF Sem Barreiras”.

Conforme a monitora Kariny Santana, os visitantes estrangeiros sempre ficam encantados com a estrutura e arquitetura do prédio e costumam perguntar sobre o funcionamento do Tribunal e como acontecem os julgamentos.

Ampliação

Com o aumento da demanda de visitas à Corte, o STF está em fase final de análise para a reintrodução de visitações também aos finais de semana. Além disso, iniciou discussão sobre a reforma e ampliação de seu museu.

Para esta obra, o Supremo utilizará os recursos autorizados pelo Congresso Nacional para o exercício de 2019, como resultado dos esforços de economia do Tribunal, que resultaram na redução do seu orçamento em 34% desde 2009.

Para obter informações sobre o programa de visitações, basta clicar aqui ou acessar http://portal.stf.jus.br/ e clicar em O STF, Visitação Pública.

Assessoria de Comunicação da Presidência