Contas no Twitter e no YouTube permitem conferir informações oficiais do STF

O objetivo do STF nas duas redes sociais é dar transparência às suas decisões e ampliar os canais de comunicação com a sociedade.

27/01/2020 19h58 - Atualizado há

Para não ser vítima de fake news sobre o Supremo Tribunal Federal, é importante estar atento: o STF possui perfis oficiais apenas no Twitter e no YouTube. A conta @STF_oficial, que tem quase dois milhões de seguidores, divulga as principais decisões do Plenário, das Turmas e dos ministros e as atividades mais relevantes da Corte. Também pelo Twitter é possível acompanhar, em tempo real, informações sobre os julgamentos de maior repercussão.

No YouTube (youtube.com/STF), além de acompanhar a transmissão ao vivo das sessões plenárias, o usuário tem acesso à íntegra dos vídeos. O canal também reproduz o programa “Plenárias”, da TV Justiça, que faz uma análise dos principais julgamentos da semana.

Histórico

Criada em dezembro de 2009, a conta no Twitter tem o objetivo de contribuir para a transparência nas ações do Tribunal, além de divulgar as decisões relevantes em tempo real ou por meio das notícias publicadas no Portal do STF. O perfil do STF é um dos mais ativos entre as cortes constitucionais do mundo, com destaque para a cobertura em tempo real das sessões plenárias. Em 2019, julgamentos sobre temas como a criminalização da homofobia e a prisão em segunda instância foram divulgados primeiro no Twitter do STF.

No mesmo ano em que entrou para o Twitter, o Supremo fez parceria com o Google e foi a primeira Suprema Corte do mundo a criar um canal no Youtube, facilitando, assim, a comunicação com a sociedade. Atualmente são mais de 300 mil inscritos, com uma média diária de 11 mil acessos simultâneos aos conteúdos disponibilizados no canal.

(IP//CF)