Subsídio de ex-governadores da Paraíba é contestado em ADI

23/02/2011 18h00 - Atualizado há

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) propôs mais uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 4562) no Supremo Tribunal Federal (STF) para questionar o pagamento de aposentadorias a ex-governadores. Desta vez, trata-se do estado da Paraíba, onde a Assembleia Legislativa, por meio de emenda à Constituição estadual aprovada em 2006, instituiu o benefício ao fim do mandato do governador que tiver exercido o cargo em caráter permanente. O subsídio mensal vitalício, a título de pensão especial, é pago com recursos do tesouro estadual e equivale à remuneração do governador em exercício.

Para a OAB, a Assembleia Legislativa concedeu a esse pagamento o título de “pensão especial” na tentativa de mascarar a patente inconstitucionalidade. “O fato de a Constituição da República em vigor ser silente quanto à possibilidade de concessão de subsídio mensal e vitalício a ex-autoridades não pode ser interpretado em favor de dispositivos como o que ora se impugna, visto que a autonomia conferida aos estados membros pelo art. 25, parágrafo 1º, da Lei Maior, não é absoluta”, argumenta a OAB nesta nova ADI a respeito do tema.

A OAB ajuizou ADIs semelhantes para contestar a constitucionalidade do pagamento de aposentadorias a ex-governadores dos estados do Pará, Acre, Amazonas, Rondônia, Sergipe, Paraná, Rio Grande do Sul e Piauí. O Plenário do STF iniciou o julgamento do pedido de liminar feito na primeira ação (ADI 4552), que questiona o pagamento a ex-governadores paraenses. Após o voto da relatora, ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha, concedendo a liminar para determinar a suspensão do pagamento do benefício, o ministro Dias Toffoli pediu vista dos autos.

O relator da ADI 4562 é o ministro Celso de Mello.

VP/CG

Leia mais:

16/02/2011 - Pedido de vista suspende julgamento sobre subsídio vitalício de ex-governadores do Pará

15/02/2011 - Ex-governadores: OAB apresenta ADIs contra leis do Rio Grande do Sul e Piauí